" /> Ser publicitário, você já se fez essa pergunta?
Tel: +55 (11) 98201-0957      e-mail: contato@jbwbrasil.com.br

Ser publicitário? você já se fez está pergunta? por que nossa área possui tantos prêmios? Cannes, Clio Awards, Caboré, App Mídia Fest? Apenas para provar competência para seus anunciantes? Mas, quantas campanhas estão morrendo neste exato momento? Quantas agências vivem só de Prêmios, por quê?

Como é para você ser reconhecido em um momento e no instante seguinte não? Provar para o seu cliente que você está certo e ainda ter que ganhar um voto de confiança dele? Você quer ganhar só respeito através de prêmios ou liberdade para se trabalhar e fazer grandes campanhas? O que adianta ter milhares de prêmios na estante se no dia seguinte sua campanha vai ser reprovada pelo seu cliente por gosto pessoal e todo seu trabalho não fará a menor diferença. Temos que ser muito mais que criativos, temos que ser persuasivos. Sim, sabe aquela campanha da Parmalat com mamíferos graciosos que foi o ícone da propaganda brasileira? quase morreu, porque CEOs, Presidentes, executivos, sei lá como queira chamar, acharam que ela era muito infantil, que ninguém iria comprar leite sendo tão infantil. Se não fosse a persuasão de Nizan Guanaes fazendo uma pesquisa provando que seu instinto de publicitário estaria certo, uma magnífica propaganda estaria "morta''. Sim, isso mesmo, apagada de nossas memórias, uma campanha que marcou gerações. Que no final da história se vendia mais bichos de pelúcia com cara de infantil de 7 reais, do que leite de 2 reais, de tão genial a campanha. O faturamento da Parmalat cresceu 4900% em um ano graças à campanha dos bichinhos.

Se você é publicitário e ama o que faz, não desista da sua campanha. Insista, persista. Talvez você salvará uma companhia memorável nesse exato momento. Sei o quanto é difícil fazer propaganda neste país, tirar uma ideia do papel, apresentar brilhantemente sua campanha e receber um ‘’NÃO’’, sem embasamento só ''porque eu estou pagando e não quero isso''. É muito desanimador.

Será que os anunciantes querem só a sua credibilidade, respeito por termos prêmios, só isso valem para eles nos dias de hoje? Se for, tenho uma foto do App Mediafest com o galo de bronze, com a primeira agência de publicidade que me deu uma oportunidade de concorrer a algo, porque para competir, você tem que pagar e adianto que não é barato. Quantos gênios não tem e não tiveram essa oportunidade? Lá no meu Linkedin está o nome da agência, se tiver curiosidade, posso te adiantar que não é nenhuma agência global, mundialmente conhecida, era somente uma boa agência, que reuniu mentes brilhantes, que eu tive a honra de fazer parte. Claro que na época em que trabalhava nesta agência, tivemos a sorte de anunciar para uma empresa que confiou em nosso trabalho, afirmo que vi poucas empresas assim. Mas, também não digo que ela é uma grande empresa só por nossa conta, nós publicitários temos que ter a noção que as empresas têm as suas políticas, modo de lidar com as situações, nós apenas anunciamos suas verdades que neste caso fizemos isso brilhantemente, por sinal.

Ela deu uma coisa primordial que todas as empresas deveriam pensar com carinho quando contratam uma agência, a liberdade da agência fazer o seu papel, porque se já soubessem fazer isso, não precisaria de nós. E se você pegar uma empresa anunciante que não seja competente, com grandes propósitos, digo que infelizmente iremos apenas atrapalhar, pois como diria Washington Olivetto ‘’A pior coisa que um produto ruim pode ter, é uma boa publicidade’’. Porque vamos apenas adiantar e mostrar para mais gente a sua incompetência.

Tenho em minha consciência que em alguns anos as agências que irão sobreviver neste novo cenário são as independentes com mentes brilhantes ou as globais internacionais que comprar as agências Brasileiras independentes com mentes brilhantes. Se me perguntarem que lado quero estar? Na independentes Brasileiras com mentes brilhantes.

Você que está querendo virar ou está no começo da sua carreira de publicitário já sabe um pouco do que vai encontrar pela frente. Como podem ler, não são mais pizzas, coca-colas e noites em claro que irão fazer dos seus dias mais empolgantes, muito menos vídeo game no trabalho. As coisas que me empolgavam e via no passado, ficou no passado. Muitas vezes a sua ideia central, já não será a sua ideia, será do anunciante, em alguns momentos seus olhos nem brilharam mais, mas, se você é teimoso e acredita que tudo isso ainda vai mudar para melhor, boa sorte e eu também estou contigo. Porque quem ama ser publicitário não vai se adaptar em outro ambiente por mais que nós dominamos vários deles. O verdadeiro publicitário tem que estar antenado, em tudo e em todos. Porque faz parte da nossa profissão, entender cenários e a velocidade da mudanças das tecnologias.

Eu só posso afirmar uma coisa que a gente nunca vai aprender, apenas aperfeiçoar, o nosso DOM. Ou você nasce com ele ou não descobre, fácil assim.

Encerro com mais uma frase do gênio Washington Olivetto: "Todo mundo nasceu com um dom para fazer alguma coisa especial, mas são poucos os que descobrem que coisa é essa". Eu acho que descobri a minha e você, não? corra atrás para descobrir!

Texto feito por: Bruno Caleffo